quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Notas

Nota 1: Fala-se tanto dos refugiados no Brasil e na Europa. Um assunto que tem tomado uma grande polêmica, com pessoas a favor e pessoas contra. E, como sempre, seria muito fácil de resolver se essas pessoas não precisassem sair de suas cidades natal, de seus países de origem. O que precisa ser realmente feito é resolver o problema nesses países, pois, ninguém deveria ser obrigado a fugir de onde nasceu, cresceu, construiu uma vida e uma cultura.

Nota 2: Os EUA são tidos como o berço da capitalismo, o centro de compras como Nova Iorque, Miami e Orlando. E, é incrível como o brasileiro importa toda essa cultura consumista de lá. Parece que não basta ter uma casa, é preciso ter uma mansão, não basta ter um carro é preciso ter o mais caro, não basta ter uma roupa, ela tem de ser de marca. Contudo, em um país co grandes diferenças sociais a ostentação e consumismo se tornam também perigo de assalto. Bom mesmo é ver livrarias cheias, museus e agências de viagens cheios, pois, as experiências de ler um livro, adquirir mais conhecimento em um museu e conhecer outras culturas realmente não têm preço.


terça-feira, 18 de agosto de 2015

O dever de casa de todos


Muito se fala nos dias de hoje sobre a educação formal no Brasil não estar boa, sobre os índices de analfabetismo ainda altos, índices baixos de desenvolvimento da educação medidos pelo Ministério da Educação. Mas, o investimento não deve ser feito apenas na educação básica, aquela de 1º ano do Ensino Fundamental até o Ensino Médio, porém começar com o incentivo aos estudos nas famílias, passar pela educação básica e chegar ao Ensino Universitário.
Se não há um incentivo na família a criança não entende a importância de estudar, não desenvolve o gosto pelos estudos, chega à escola sem saber o porquê de estar ali e acaba se tornando indisciplinada e fracassando nos estudos. Assim, termina mal o Ensino Médio e consequentemente não consegue um bom posto no mercado de trabalho. E, na escola, acaba atrapalhando outros estudantes que têm o incentivo, contudo que não conseguem estudar pela indisciplina causada por esses outros que atrapalham. Esses interessados mesmo não conseguindo estudar vão para as universidades. O Ensino Universitário acaba não conseguindo suprir a deficiência de uma vida escolar inteira e maus profissionais acabam sendo formados, muitas vezes maus professores que vão cair nas escolas públicas e no problema da indisciplina falado anteriormente e ainda com uma má formação.
Enfim, torna-se um ciclo vicioso. É preciso sim investir em bons cursos de formação de professores, na carreira docente, mas também é preciso conscientizar famílias e crianças sobre a importância dos estudos para que os que já têm essa consciência possam estudar e todos possam ter uma escola pública de qualidade e não apenas um depósito de crianças e adolescentes misturados com alunos interessados em estudar.