sexta-feira, 25 de março de 2016

O profissional da educação e sua formação

Tanta importância que é dada para a Educação no Brasil, mas ao mesmo tempo,  nenhuma é dada ao profissional da educação. Sim, o pedagogo e o licenciado.

Na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBN - 9394/96) diz que o docente de escolas regulares precisa (é obrigatório) Pedagogia no caso de lecionar  para a Educação Infantil e para o Ciclo I do Ensino Fundamental (primeiro ao quinto ano) e Licenciatura em Letras, Matemática, Biologia, Educação Física, Arte, etc. para lecionar disciplina específica  para o Ciclo II do Ensino Fundamental (sexto ao nono ano) e para o Ensino Médio. Além disso, Licenciados em Arte, Educação Física também atuam no Ciclo I e Licenciados em Letras com habilitação em inglês são obrigatoriamente requisitados (por lei) para lecionarem Língua Inglesa na Educação Infantil e Ciclo I.

Temos que pensar que estamos lidando com seres humanos, então, assim como qualquer outro profissional, o da educação também precisa ser formado, e bem formado,  se atualizar e ser reconhecido por isso. 

segunda-feira, 21 de março de 2016

Nó social, nó na garganta

Vivemos o caos social que reflete no trânsito, na educação, na política.

A educação, a moral que antes vinham de casa não existem mais. Hoje as pessoas parecem mais ter filhos apenas por ter, apenas para seguir uma regra social do que realmente criar um ser com responsabilidade.

Se um casal ou uma pessoa resolve adotar tem de passar por um processo longo que inclui documentação, entrevistas com psicólogo e assistente social. Na direção contrária, se um casal resolve gerar um filho apenas geram e pronto, com ou sem planejamento, com ou sem vontade, com ou sem responsabilidade. Para, em alguns casos, a criança sofrer e ir para adoção. Contraditório.

Políticas sociais mal feitas, mal interpretadas, mal aplicadas. E uma história complicada que formou uma falta de consciência, uma cultura do assistencialismo na qual tudo é dado, não há valorização do público.

Um nó totalmente enrolado e amaranhado que é preciso achar a ponta, o início para que a mudança realmente se inicie.


domingo, 13 de março de 2016

Não é só ir pra rua...

No dia de hoje é possível ver pela televisão milhares de manifestantes nas ruas contra o governo Dilma, a favor da Polícia Federal, do juiz Sérgio Moro e contra a corrupção no país. Segundo está na mídia, mais de 100 mil manifestantes só em Brasília. O que é muito bom, pois, mostra a indignação de um povo, um povo querendo uma país melhor.

Por outro lado, é só também sair de casa e perceber que muito dessa política estragada vem da mentalidade tacanha de um povo. Não é difícil ver pessoas jogando lixo no chão, não respeitando sinais de trânsito, faixas de pedestre, filas e vagas especiais em supermercados, shoppings etc. . Muitas vezes é possível ver a falta de educação dos pais que é passada aos filhos.

Ora, quem faz um país é um povo e ninguém nasce político, o político vem desse mesmo povo que muitas vezes tem a mentalidade descrita acima. E tendo essa mentalidade sendo apenas um cidadão comum já não é bom, imaginemos quando um ser assim chega à política...

Enfim, que a política mude, mas que a mentalidade de muitos também mude.